22 abril 2014

suspiros

um suspiro de lastima
correu com a água até não resistir
escorreu pelo ralo do banheiro
pra quem sabe nunca mais voltar.

05 abril 2014

das descobertas

do novo
tão velho
conhecer
você.

dos anos
passados
nada sei
de você.

canetas, papéis, jornais, livros
canecas, comidas, revistas, escritos
caretas, beijos, segredos, sorrisos
camisas, queijos, azuis, mosquitos
canelas, temperos, romances...

ainda assim,
nada sei!




grito

gritos
abrindo caminho
libertando um coração
sufocado

25 março 2014

coração em crise

eu só queria um coração manso
a mente em ordem
os olhos não embaçados
e abraços infindáveis.
é que meu corpo se cansa
recusa órgão defeituoso
quer expulsar aquele que estraga o sistema.
vai chorar em outro canto
coração
vai importunar outro corpo
coração
vai mofar outras esquinas
coração
vai fazer casa em outros quarteirões
coração
vai!

23 março 2014

da espera

I
sob os ponteiros desse relógio
limpei toda a casa
e em partes esse baú mofado.
você disse que viria
fiz questão de te esperar.

II
com o coração aflito
os ponteiros passavam
e você não
os ponteiros correram
o tempo se foi
você, nem veio.

III
após cada ponto final
um verso novo
recomeço.
deixar a poeira se acomodar
o baú inteiro mofar
pois nele há goteiras
dos olhos meus.

19 março 2014

das inconstâncias da mente

esses sorrisos vindos desses lábios corados
trazem sorrisos aos meus lábios rosados
que por vez
instigam os olhos curiosos
que não se cansam de admirar
cada poro, traço, cicatriz, rabisco, pintinha
que por vez
atrai as mãos para suavemente deslizar geografia
desviando a atenção dos olhos
que agora fechados
penetram esse baú mofado.

14 março 2014

09 março 2014

saltidando

a gente deveria pular
como crianças
saltitantes
felizes

adultos deveriam pular
como crianças
saltitantes
felizes

acho que crescemos e esquecemos
como as coisas ficam leves
quando saltitamos

trilha sonora

aí a gente senta pra ouvir
Cícero
sem saber o que fazer daquela angústia
Ana Larousse
sem saber dançar esse carnaval que nem começou
e já deixou o coração em frangalhos
A Banda Mais Bonita
sem querer falar de coração
nada dessa fera que se auto destrói
Agridoce
pois eu só queria enxergar alguma coisa pra domar
um peito em fogo